Arte

Soneto ateu

Soneto ateu

Já morto quem tudo leu
do precípuo pergaminho,
aonde se vai o eu
nesse meio do caminho?

A princípio pareceu
para mim redemoinho
todo esse mundo ateu
rodar no nada sozinho.

Mas os pássaros não comem
os restos mortais do homem
que morreu ao ser divino?

Então me resta a procura?
Ou crer enfim na loucura
de ver no céu o destino?

Werner Schön

Werner Schön tenta fazer literatura. Em Jaraguá do Sul.

Comentários:

Ao enviar esse comentário você concorda com nossa Política de Privacidade.