Serjão Santana

Serjão Santana jogou futebol amador em Itajaí. Fã dos irmãos Rodrigues, abraçou a crônica esportiva. É marcilista e botafoguense.

O nome da era

Juquinha me ligou aos prantos:  – Serjão, serjão…  Não consegui ouvir mais nada. Apenas soluços. E uns grunhidos tão altos...

Leia mais

Não dá mais!

Sempre gostei da Seleção. Em 50, depois da pior derrota da história do futebol, passei a gostar mais. Em 58,...

Leia mais

Serjão Santana: Núcleo Duro Rubro-negro

Os dogmas rubro-negros formam uma espécie de Carta de Princípios, sistematizados com impecável rigor sobre o pétreo pilar da cláusula primeira: uma vez Flamengo, sempre Flamengo. É incrível como o Lamartine – que, embora talentoso sambista, não era nenhum Camões – tenha sido capaz de um verso tão exato. O flamenguismo se ergue inteiro sobre esse fundamento. E, com a mais impecável harmonia, a doutrina dogmática se desdobra em mandamentos: a fé na vitória, o repúdio à autopiedade, a veneração ao Zico.

Leia mais